Aba 1








BLOG DE NOTÍCIAS

Postado em 27 de Junho de 2017 às 09h44

Como se tornar um pequeno produtor de energia

Brasil (5)Social (8)Economia (7)

Entenda como os sistemas de geração distribuída podem ser benéficos para a economia e o meio ambiente

Uma pesquisa da consultoria Accenture aponta que oito em cada dez brasileiros têm interesse em produzir a própria eletricidade de forma autossuficiente. Isso significa que 80% da população gostaria de se ver livre do modelo tradicional de produção e distribuição de energia. Mas como se tornar independente? A geração distribuída é uma boa alternativa.

O sistema tradicional é composto por grandes unidades produtoras, como as hidrelétricas e termelétricas. São elas que geram a energia que, em seguida, percorre milhares de quilômetros em redes de transmissão até chegar aos centros de consumo, de onde é distribuída para os habitantes.

Mas, com o avanço das energias renováveis, como solar e eólica, os consumidores têm ganhado independência. Uma pessoa pode produzir energia em sua residência, enviar a carga para a rede local e ainda ser recompensada por isso.


Benefícios


A novidade permite o redesenho do sistema tradicional para um modelo de geração distribuída. Com isso, diminui-se a necessidade de o governo investir na construção de usinas e de cabos de distribuição, uma vez que a energia é produzida mais próximo do consumidor. E traz até vantagens ecológicas, pois, com a proximidade, grandes obras como linhas de transmissão que cruzam a Amazônia poderiam ser reduzidas ou, até mesmo, evitadas.

“O Brasil perde em torno de 17% da energia produzida por ano. A maior parte disso é proveniente de perdas na transmissão, e quem paga por isso é o consumidor”, explica o professor José Simões Moreira, coordenador do laboratório de sistemas energéticos alternativos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.


Como produzir sua própria energia


Residências, condomínios e indústrias podem aplicar a geração distribuída de energia em suas redes. Veja o caso da Ambient, empresa responsável pelo tratamento do esgoto doméstico de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, há mais de 20 anos. Em 2009, a companhia instalou dois moto-geradores que consomem o biogás gerado a partir do tratamento do esgoto como combustível.

Hoje, a empresa é capaz de gerar 1,5 megawatt de energia, cerca de metade do necessário para a operação da estação. O calor dos escapamentos ainda é recuperado para aquecer os digestores de lodo, o que melhora a eficiência da degradação da matéria orgânica.

É preciso seguir alguns passos para produzir sua própria energia e se conectar à rede de distribuição. Como o processo é regulamentado pela Aneel, é necessário consultar a concessionária da região, responsável por controlar os requisitos técnicos e aprovar a solicitação.


E o que sobra?

A Aneel também criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica, que autoriza a transformação do excedente em créditos, que podem ser trocados com a distribuidora local e reduzir o valor da fatura de eletricidade. Para isso, o consumidor precisa ter um sistema de monitoramento da sua rede.

Isso pode ser feito com ajuda de medidores inteligentes que, ao contrário dos relógios analógicos, avaliam a rede de forma mais rápida e precisa. “O equipamento registra quanto o consumidor manda de energia e quanto usa do sistema tradicional. Se ele receber mais do que enviou, paga a diferença para a distribuidora. Caso contrário, ganha créditos na próxima fatura”.

Em março de 2015, novas regras foram adicionadas e o prazo de validade de uso dos créditos passou de 36 para 60 meses. Além disso, é possível abater uma fatura de outro local que esteja na área de atendimento da distribuidora, como o de uma filial ou outra casa.

Uma família consome, em média, 400 quilowatts-hora por mês. Para atender a essa necessidade com energia solar, por exemplo, seria preciso investir entre 20 000 reais e 25 000 reais. O retorno desse investimento em placas fotovoltaicas ocorre em cerca de seis anos, e a vida útil do sistema pode ultrapassar os 25 anos.

Fonte de informações: Exame.com

Cadastre seu e-mail para receber novidades e baixar um e-book (GRÁTIS)

Nome
E-mail
Resolva :

Veja também

Painéis solares impressos podem ser a solução para carregar seu celular03/07/17Feita de um material barato e mais fina do que um fio de cabelo, essa tecnologia de painéis solares pode ser usada em praticamente qualquer lugar   Quem nunca desejou que seu smartphone fosse capaz de se recarregar sozinho? Pois bem, o fato é que o pesquisador Artur Kupczunas, co-fundador da empresa Saule Technologies, pode trazer uma resposta para isso. A solução? Imprimir painéis solares em seus smartphones para que eles carreguem durante o dia.   Segundo Kupczunas, a tecnologia utiliza minúsculos......

Voltar para Blog